Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

3 em Linha

-Blog familiar é só entrar com boa disposição- 😉

3 em Linha

-Blog familiar é só entrar com boa disposição- 😉

A voz do fundo

Abril 17, 2018

Ricardo Correia

images (1).jpeg

 

 

 

 

 

 

 

Senti-me sem rumo,

Perdido no mundo.
Em vão ouvi a voz
Que me guiava do fundo
Em harmonia com o tempo
O sentimento oco
Agreste e selvagem
Consumia-me pouco a pouco.
A fronteira do universo
Fitei-a no vazio
Tão só quanto eu
Tristonho e frio.
Dei azo às loucuras
Partir sem sentido
Sem respostas puras
Aventurei-me destemido
Para onde ir?
Onde ficar?
Outra vez partir?
Irei voltar?
Voltar a sorrir?
Sempre a mudar!
De lugar para lugar
Renovar o espírito
Conhecer alguém
Preencher o vazio
Ir mais além.
Ter vontade de amar
Alegria e confiança
Novas brisas e mar
São tempos de mudança
Entreguei-me à paixão
Latente no meu ser
Descobri a criação
Visionei o renascer.
A fronteira do Universo
Fitei-a completa
Preenchida como eu
Atingira a minha meta.

Pelo infinito só os dois.

Fevereiro 28, 2018

Ricardo Correia

miudos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

Sinto-me sem forças

Para contestar este medo!

A distância que se abre,

O fosso que se cava no enredo.

A barreira que se formou,

Sem diálogo entre nós, tudo mudou!

Entrego-te a mágoa e as recordações

De outros tempos, e o monólogo da tristeza.

Espero rejubilar, porque sempre fui assim

E não tenho remédio algum, perante a natureza.

Deixo-te as cartas porque não te entendo.

Não te escrevo mais. Deixei de ser servo.

Sou incapaz de te desejar

E somente a distância me pacifica.

É nos desígnios do reino Uno

Que me ergo e me purifico.

Rompo o medo, rompo o laço

E sigo o traço da sina.

De continuar somente solo

Nesta minha triste vida.

Em vão consigo contemplar

A destreza de estar só,

Sinto falta do meu par

Da minha metade, do meu nó.

É quando não estás que sei:

Que não vivo, que não respiro,

Que preciso de ti a cada segundo

Que és todo o meu mundo.

Quero envelhecer a teu lado,

Morrer nos teus braços,

Ser um ser presente, amado.

Quero te dar amor e paixão

Jogos de sentimento e sedução.

Anda, estende-me a mão.

Vou deixar o orgulho de lado

E fazer uma confissão.

Ao deitar a cabeça no teu peito 

Voltar a sentir o teu coração,

E dizer-te no teu leito,

Que não vivo sem ti,

Sem o teu amor.

E estou vivo e desperto 

Para me entregar ao nós

E deixarmos de estar sós.

De um amor que se ergue 

Só pela troca de olhares.

Dar azo ao sentimento

E viver no aditamento

De um dia até ao infinito

Sermos sempre só os dois.

Dono da praça

Fevereiro 10, 2018

Ricardo Correia

NTD-Jose-transformation00.png

 

 

 

 

 

 

Delírios de uma mente sã,
Perturbações de névoa baça.
O florir de uma canção cristã
O entoar duma voz na praça.
O eco constante da liberdade
Estimulo o déspota, a loucura
Na manhã cinzenta, vaidade!
Nas ruas frias emana ternura.
Dá-me o teu ego solidão
Não me raptes do meu espaço.
Sou dono da praça e da ilusão
Fugaz sorriso, meio embaraço.
Um auto de vivência, inocência.
Uma lição popular nunca é escassa.
Solto um hino de fé e resistência,
Mas afinal, sou dono da praça.
Lato murmúrios entre dentes
De uma prosa, em mente sedutora.
E na hora que se avizinha,
Em adeus sigo a marcha redutora.
Esvoaço à praça um adeus murcho.
Cabisbaixo e sem vontade de partir.
Esta minha fiel companheira,
É o meu lar eterno a seguir.

Renascer das sombras

Janeiro 02, 2018

Ricardo Correia

 

desamparo.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Premeio a devassidão latente em mim.

O asco ardente do meu leito doentio.

A esgana que do meu espírito se apodera.

Do escroto imundo, preso por um fio.

Que raio se passa contigo?

Só tenho olhos para o negrume da vida.

Não dou valor ao que ilumina e brilha

Não me seduz a alegria do teu riso forçado,

Sou casmurro e crítico incontestado.

Sem forças para erguer o património

Que ruiu junto comigo da vitória do demónio.

Ainda espero pelo meu anjo guardião.

Que venha afastar as sombras que me rodeiam

A inveja que envolve o meu semblante,

Que derrubou o trono do meu coração.

Não posso dar um passo sem olhar em redor

Desconfio daqueles que me seguem, ignorantes.

Afasto-os com segura amargues, antipatia...

Quem lhes deu autorização, seus reles petulantes.

Sim! Porque eu sou um nobre burguês.

Sou uma força de maior, superior á raça humana.

Agora, auto incentivo-me, apoio-me á minha voz,

Dou azo á minha falsa imaginação que me imana.

Mas deixo cair por terra o manto que me cobre.

Mostrando ao mundo o que realmente sou.

Um bastardo da ralé, sem teto, sem terra.

Algo de abominável, criatura horrenda,

Em troca de um punhado de latão...um sabão

Que possa lavar a minha alma, da neura que me cobre.

Do lixo que me entope, dos espíritos que me consomem

E não me deixam descansar, chamando-me cada vez mais

Que entre na cova funda e de lá não retorne.

Ergo forças vindas do núcleo da minha alma

Quebro o lado ruinoso da minha sina

Não desejo deixar-me vencer pela neblina

Mas sim viver em paz com o meu espirito.

Não baixo os braços à amargura

Concedo-me três desejos dos astros

Ser feliz, amar, dar e receber ternura.

Porque no fundo sou humano como outros.

E não nasci para morrer na amargura.

 

Falo ao teu ouvido!

Dezembro 05, 2017

Ricardo Correia

buzio.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não posso falar agora, linda!

Sou a voz que ouves nas sombras.

Que te acompanha ao luar,

Em passeios nebulosos

Desafiantes, insinuosos.

Esta voz estará lá sempre,

Sempre que precisares

E é por isso que estou aqui

Outra vez para te consulares.

Da escuridão emerge o azul

“luce dei cieli”

Um raiar vibrante, um sopro...

Um alento deslumbrante, um fôlego...

Um crescente de esperança

O agarrar de uma lembrança.

No vislumbre do sol

Não te concedo aparência.

Sou a voz que ouves no escuro

A tua nova alma, a tua essência.

O odor presente lilás

Não mais queres quem o trás.

Mas estarei lá, sempre para ti

No olhar universal,

Na boca do mundo.

No espaço ancestral.

Ao teu ouvido respiro

E solto a voz da razão

Não tenho ar de gente

Mas falo a voz do coração.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado Mariana. Fico feliz por proporcionar mome...

  • mariana

    Li as primeiras cinco palavras e já me comecei a r...

  • Mamã Gansa

    Muito bom. Fartei-me de rir.

  • Ricardo Correia

    Por acaso não. É Carneiro ou Carneirona como costu...

  • mariana

    Meu Deus adorei a história (perdão fada, mas até ...