Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

3 em Linha

-Blog familiar é só entrar com boa disposição- 😉

3 em Linha

-Blog familiar é só entrar com boa disposição- 😉

Governo dá luz verde à plantação de canábis

Novembro 15, 2017

Ricardo Correia

naom_574dd21abc6d5.jpg

Arrancou à duas semanas em Cantanhede, distrito de Coimbra a plantação de canábis para fins medicinais. Acho fantástico e aplaudo este tipo de fazer crescer a economia. Não é todos os dias que nascem novos fornecedores para a medicina tradicional e natura. 

 

Só não entendo a diferença da canábis normal para aquela de fins medicinais. Então não é toda para fins medicinais? Geralmente quem a consome é por que lhe doi alguma coisa não? Há quem tome "aspirina" e há quem tome canábis!  A minha questão é se a vão lançar em forma de pastilha, cápsula, saqueta de chá ou charro já enrolado?! 

 

Além do mais se a canábis não se extraviar dos camiões para o seu destino final, sim senhor acho excelente. Vamos ver se a tal plantação fica bem guardada, não vá sofrer assaltos a torto e a direito de alguns "junkies" *1 mais desesperados.

 

Acho que a seguir devíamos explorar também a plantação de cogumelos alucinógenos*2Amanita-muscaria-450x337.jpg

Podem começar já a lançar linhas de crédito  para estufas com ar-condicionado ou sistema de AVAC de modo a produzir bastante humidade, em troncos de árvores ou borras do café. 

Dá-se com isto um crescimento económico para as empresas de frio, assim como para as de quente, que é os instaladores de estufas, não é! 

 

Borra-de-cafe-podera-abastecer-tratores-e-maquinas

Gerava-se uma nova indústria que era a da borra do café. Assim reciclávamos as borras. E gerava-se mais economia para o país e podíamos mesmo ser os pioneiros na Europa da produção de cogumelo com aproveitamento natural da borra do café. Por um lado os compradores da borra de café, por outro os transportadores das borras de café e por sua vez os agricultores da borra de café. Isto é perfeito!  É uma vertente de negócio por explorar em todo o mundo! 

 

londres-prostituta2.jpg

A seguir também proponho a legalização da prostituição. Vejam só. As meninas e/ou os meninos, eram obrigadas a passar fatura / recibo. Teriam que estar registadas como "trabalhadoras por conta própria", se fosse numa casa com muitas e uma madrinha então sim, já era "por conta de outrem"...  Vendo bem o filme... elas são sempre "trabalhadoras por conta de outrem" não é?  Porque por conta própria, quer dizer que trabalham para si, e sendo assim, se for a trabalharem para si não tiram rendimento nenhum... não sei digo eu...

 

Com isto era o fim da economia paralela. Acabava-se os desfiles nas avenidas e nas bermas das nacionais. Eram obrigadas a boletim clínico e higienização, assim como a fazerem testes regulares de DST. Também o aluguer de quartos de Motel aumentava, assim como a venda de "espaços comerciais", para este efeito. Acabava-se também os sacos de lixo e os sofás rotos, nas bermas da estrada junto aos pinhais.

Quem não ia ficar contente era os proprietários dos bares de alterne que acabavam por perder a freguesia. Esses teriam que passar recibo por prestação de serviços de manutenção.  Manutenção... da clientela! 

 

Fonte Wikipédia

*1 Pessoa que sofre de dependência de drogas, mais comumente usado para se referir a um viciado em heroína

*2  Os cogumelos alucinógenos, conhecido também como cogumelos psicadélicos (português europeu) ou cogumelos psicodélicos (português brasileiro) ou ainda cogumelos mágicos são fungos com propriedades alucinógenas, utilizados por diversos povos em suas atividades culturais, bem como drogas recreativas, especialmente por jovens urbanos influenciados por diversos movimentos culturais.

 

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Comentários recentes