Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

3 em Linha

-Blog familiar é só entrar com boa disposição- 😉

3 em Linha

-Blog familiar é só entrar com boa disposição- 😉

Em estilo passeio sem destino aparente

Dezembro 02, 2017

Ricardo Correia

car-highway.jpg

A música entoava a meio tom pelo meio da conversa dos adultos, sentados no banco da frente do automóvel, ao mesmo tempo que conduzia o meu bólide descontraído pela estrada fora. As duas miúdas sentadas no banco de trás, uma a apreciar a paisagem de olhos fechados dormitando com a cabeça reclinada na cadeirinha, enquanto a outra a mais velha, suspirava pelo aborrecimento próprio da idade, de quem já começa achar que passear com o pai e com a mãe se está a tornar uma seca. Era bem melhor estar aturar o canal Disney ou a picotar o tablete com os joguitos impingidos pelo 'googleplay'

 

A conversa dos adultos foi entretanto interrompida pela Ema em sinal de alerta, em tom de quem estava aprestar atenção ao caminho mais do que eu. Estaria ela certa! Hum...

- Pai! Acho que já passamos por este Bombeiro paí umas quatro vezes. 

- A sério Ema?! Não pode ser - retorqui eu.

- É verdade. Olha é sempre a mesma rotunda com a mesma estátua do bombeiro!

- Não é nada! Olha este bombeiro está apontar para ali e outro à  bocado estava virado para o outro lado. - Tentei disfarçar eu, confiante da minha resposta.

- Claro, à bocado vínhamos de cima, e agora vamos para cima, por isso é que é o mesmo bombeiro, pai! Só que virado ao contrário - Disse a Ema sábia da sua resposta. 

 

Já lá vai o tempo em que conseguia dar a volta à questão sem ser apanhado. A minha copiloto também andava com o radar em baixo, e sem sinal, porque todas as vezes que dizia, "é por ali." Acabávamos numa estrada sem saída ou a entrar numa mata com estrada de terra batida. Enquanto isto a Ema ria-se do pai tonto.

 

Eu não querendo admitir que andávamos em círculos perdidos e mais uma vez, quem precisa de GPS's. Afinal de contas andávamos a passear sem destino certo, somente a ver a paisagem. Ainda disse à Ema que logo por azar era feriado e não havia ali nenhum carro que soubesse o caminho para eu seguir atrás dele.

 

Antigamente desdobrávamos os mapas em papel com todas as estradas do país, que tinham que começar a ser abertos no banco de trás para se conseguir ver onde estávamos, e acabávamos sempre a ver o mapa de pernas para o ar. Mas quem ligava a isso? Queríamos mesmo era ir por essas estradas fora somente pela aventura.

 

De volta a casa tive uma discussão valente com a Ema e com a mãe. Vimos um carro, daqueles quadriciclos (papa-reformas), com a matricula 88. E eu disse com firmeza.

Eu - Olha ali aquela matricula! Tem os oitos de cabeça para baixo.

Ema - Não tem nada! Estão bem. 

Cláudia - Olha passou-se andas a ver mesmo mal.

Eu - A sério, vocês não vêm! Os oitos estão de cabeça para baixo.

Ema - Ó pai! Estão bem é mesmo assim. 

 

Seguimos atrás do carro para aí uns cinco quilómetros ou mais, sempre na mesma discussão. A Cláudia só se ria da minha parvoíce. - Vais dizer que é por a bolinha gorda estar em cima e a pequena em baixo?

Eu - Ah! Afinal sempre vês os oitos de cabeça para baixo?!

Ema - Ó pai chega-te mais perto para eu ver melhor. - Assim fiz. Cheguei-me mais um bocadinho para perto do carro da frente.

Cláudia - Qual é o problemas das bolinhas serem diferentes? Quem te disse que a cabeça tem de estar sempre em cima?

Eu - Então fica mal. É como ter a cabeça debaixo do cú! Não faz sentido. Os oitos estão de cabeça para baixo e mais nada.

A certa altura da discussão já a Ema concordava comigo. Isto é que é poder de persuasão! De facto os oitos da matricula do papa-reformas estavam de cabeça para baixo.

 

Mas na verdade tudo não passa de ilusão de ótica. À medida que o carro da frente se move dá a sensação de que a bolinha debaixo do número oito fica mais pequena em relação à bolinha de cima. 

No final de contas rimo-nos que nem uns perdidos à vinda para casa e a viagem parece que se fez mais depressa. Isso é que interessa.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Comentários recentes