Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

3 em Linha

-Blog familiar é só entrar com boa disposição- 😉

3 em Linha

-Blog familiar é só entrar com boa disposição- 😉

A super bananny

Janeiro 22, 2018

Ricardo Correia

super bananny.jpg

Olá pessoal hoje resolvi falar sobre um tema que ainda ninguém falou até agora. É um programa que passa naquela estação de televisão chamado SIC, e intitulado de "a super bananny".

 

Vá-lá eu sei que já todos viram e comentaram sobre isto com alguém, também já sei que lançaram a pobre senhora à fogueira, principalmente nas redes sociais, mas alguém tem que a defender certo? Afinal de contas toda a gente tem direito a ganhar o seu ganha pão, de forma honesta. 

 

Em primeiro lugar a falta de bom senso é da cabecinha pensadora que resolveu criar este programa sem se preocupar com as crianças. Depois não é novidade para ninguém que a televisão usa meios de aliciamento às famílias para exporem os filhos deste modo na televisão. E este método não é novo.

 

Ora vejamos. Já na década de 90 havia um programa que passava ao sábado a noite, chamado 1,2,3 com a bota botilde, e o país quase que parava para o ver, e em que o prémio máximo era um carro. E naquele tempo um carro era assim qualquer coisa como uau. 

 

Já nessa altura a televisão aliciava as pessoas, para lá irem fazer figuras tristes. Tá bem, não era os filhos eram os pais. E esses mesmos pais metiam os putos à caça de todos os coupons em revistas e jornais para os enviar para concorrer a esse dito concurso. E quando os putos diziam "-mais coupons, já tou farto de cortar coupons." Não tardava a resposta "- o quê? Ou cortas esses coupons direitinho ou levas duas lamparinas no focinho que vais ver." E a malta calava e fazia. Ai ai... 

 

Sim porque no programa anterior a mãe da menina fez-lhe umas festas pedagógicas no traseiro e foi um "ai Jesus que a senhora bateu na filha!“ Não percebi se o espanto da opinião pública ter sido a palmada, se a palmada na televisão. No meu tempo a gente levava umas palmadas pedagógicas... De cinto e colher de pau. E aprendíamos ou não aprendíamos a lição?

 

Isto tudo porque ouvi dizer que as famílias receberam mil euros para expor os putos desta forma.  Só não sei se pagaram por programa se à cabeça. Se for à cabeça podem vir cá a casa que são logo três mil paus. Eu digo aos putos para se portarem muito mal, mas só naquele dia. E ainda faço negócio para antes de virem, mandarem o querido mudei a casa. O quê?!  Deixaram fugir esse programa para a TVI!  Afinal de contas quem é que gosta de ver meia dúzia de gajos a partir as casas para depois as deixarem todas bonitinhas! Hã? Que falta de...

 

Depois a produção também falhou noutro aspeto. Deviam ter posto a super bananny ao estilo de "Nanny McPhee" enchiam-na cheia de rugas e verrugas na face, um grande nariz abatatado, cabelos brancos e claro os seus inconfundíveis óculos de massa.  Qual carinhas felizes no placard, qual quê! Assim que ela entrasse a porta de casa, os miúdos apanhavam de tal maneira um cagaço que já não se portavam mal. Até tremiam. Ah, pois é. 

 

Queriam era vê-la dali para fora. E aí os papás já podiam dizer "portas-te mal?... Olha que vou chamar a super banany." No meu tempo era o homem do saco.

 

No fundo este programa é uma imitação do encantador de cães. O César Millan o que é que ele faz? Chega lá a manda uns calduços ao cão, fala com firmeza, manda uns toques de calcanhar no lombo do animal e fá-lo sentar.  Depois conclui. "Este cão tem muita energia precisa de ir para a rua correr".  Lá está, é o que a gente faz à miudagem, levamo-los a passear e alguns chegam mesmo a fazer xixi nas árvores quando estão mais apertados.

 

Claro que se tiver mau tempo temos que arranjar uma solução. Lá em casa o Pai Natal trouxe uns patins à Ema e um triciclo à Beatriz. Volta e meia está a Ema de patins às voltas da mesa de jantar e pela casa fora ao estilo de gincana, e ainda faz o favor de empurrar a irmã no triciclo, é maravilhoso! Quando se juntam os três é o terror. É uma barulheira de risadas e as vezes vimos a bola a bater tipo flippers nas paredes. Claro que depois levam ralhete. É a vida! E se há coisa que irrita muita gente é risadas de crianças. 

 

Depois o César Millan também diz este cão tem que ir lá para o meu canil para ver quem é o líder da matilha. Lá está, lá em casa toda a gente sabe quem é o líder da matilha, e obedecem com respeitinho. A miudagem pia fininho. 

Como? Eu? O líder da matilha... nam! Não sou eu, o líder da matilha é a mãe. Sim porque a Cláudia diz que eu ainda não cresci. Que sou um puto grande. O pai espevita a criançada e a mãe acalma. Já estão a ver o filme, não. Por isso é que a gente se completa. Se um mato o outro diz esfola e se um arranha o outro morde e rosna. Só se estraga uma casa. 

 

Além do mais ainda podemos tirar partido dos patins da Ema. "Ema põe a mesa." E lá vai ela a deslizar toda contente, com os pratos, os talheres... e a desgastar energia.

 

Bom, mas o que faz afinal a super bananny senão impor regras, disciplina, e acima de tudo criar rotinas. Mas isto é o que uns pais normais fazem não? 

Claro que se os pais ainda caírem naquela patetice de deixar os filhos abusar nos doces, então é vê-los ao estilo do coisa 1 coisa 2 do gato da cartola e ninguém os agarra.

 

Agora é hora de olhar para a super bananny com alguma apreensão porque acho que a vida dá senhora vai ficar preta. Se ela pensava que com isto ia ter o consultório sempre cheio de pais que não sabem ser pais, desengane-se. Acho que ainda a vamos ver nalguma viela de mão estendida. 

Acho que a sorte dela é que o povo Português tem memória curta e daqui um ano ou dois já ninguém se lembre disto. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Comentários recentes