Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

3 em Linha

-Blog familiar é só entrar com boa disposição- 😉

3 em Linha

-Blog familiar é só entrar com boa disposição- 😉

A fada dos dentes - história semi-horror-o-infantil

Julho 29, 2019

Ricardo Correia

fadinha dos dentes.jpg

Recordam-se daquela mítica história infantil de que cada vez que cai um dente a uma criança, algum adulto palerma , se lembrou de dizer que vinha a fada dos dentes? Lá em casa entrou a fada dos dentes com o Xavier até ao último dente de leite. Pensávamos nós que a iríamos continuar a ver com a chegada da Ema na cegonha. Mas o que é certo é que nunca a mais a vimos! Será que ela perdeu o GPS? Ou tem uma bússola avariada e não dá com a morada!

 

Ontem, caiu mais um dente à Ema! E como tal, podem não acreditar mas cada vez que se dá um destes fenómenos é a choradeira total. Ela lá vai abanando o dente para um lado e para o outro, a ver se ele cai, mas sem sucesso. Então chega a uma altura em que vem ter comigo. E é assim que encarno uma das muitas profissões que os pais exercem com os filhos ao longo dos anos. Passamos de aprendizes a doutorados num ápice. Então é aqui, que visto a bata de dentista. E sem um mínimo de esforço, só com um pequeno toque fico com o dente nas mãos. Assim que ela vê o dente nas minhas mãos exclama muito intrigada "O quê! Já está?" Ao mesmo tempo que as lágrimas lhe rolam cara a baixo, e desata a correr para a casa de banho para bochechar. Nunca percebi o porquê deste trauma de perder os dentes. Até parece que alguém morreu.

 

Depois vem a segunda fase do drama. Que é eu a perguntar-lhe. Queres pôr o dente de baixo da almofada? Ui, mas o que é que eu fui perguntar?Mais valia ter posto o pé na bosta antes de abrir a boca. Quase que sou esbofeteado pelas palavras refilonas e indignadas que saem a toque de metralhadora.

Ema - "Que nojo dormir a noite inteira com isso de baixo da almofada!" 

Eu - " ...mas depois vem a fada dos dentes e troca o dente por uma moeda!" 

Ema - "Eu quero lá saber da moeda! Não quero é ninguém estranho a entrar-me pelo quarto a dentro durante a noite. Além do mais, por onde é que ela entra hã? Pela janela?" 

Eu - "Não ela é mágica..." 

Ema -"Não, não não! não quero nada disso na minha cama, nem ninguém no meu quarto!" 

 

Eu até percebo a bacurinha do meio. Uma fada pode ser um ente deveras arrepiante e medonho.

Se pensarmos bem, ela tem razão! Imaginar a cena é um bocado constrangedor... 

Porque raio alguém iria querer ter um estranho a entrar no nosso quarto à noite?

 

Vamos recuar ao tempo em que a Ema era bem pequenina para saber de onde vem o trauma?

 

O dentinho já se encontra debaixo da almofada e a Ema dorme que nem um bebé.

 

Não sabemos se vem a esvoaçar com as asas a brilhar, ou arrastar os pés meio moribunda, de quem está a pé a noite toda, cheia da sono! 

O silêncio paira no ar invadindo toda a casa. A fada, matreira e receosa para não ser apanhada olha em redor do quarto e observa o seu alvo. Lá estava a almofada que guarda por baixo o seu tesouro.

(Logo aqui, já estou com medo só de pensar em alguém a observar-nos)

 

Ouve-se uma respiração calma e lenta de quem está profundamente a dormir. 

Dirige-se para a junto da cabeceira da cama e, lentamente estende a mão para alcançar o tão afamado dentinho, que está sob a almofada.

(Bolas... e se a fada for uma bruxa má disfarçada e nos for ao pescoço?)

 

Com a mão trémula a fada no encalço do dentinho estica o braço deslizando-o para debaixo da almofada. Sente o dentinho e agarra-o forte, como alguém que conquistou um troféu. Neste preciso momento em que a fada agarra o dentinho, a Ema vira a cabeça e prensa-lhe os dedinhos, que lança de imediato um gemido de dor e três palavrões desenfreados. A mão da fada estava agora imobilizada como de baixo de uma rocha.

 

A sua face perde imediatamente o sorriso e incha escarlate de raiva! Puxa então o braço num safanão para se livrar da cabeça da Ema, fazendo-a acordar. Com o rosto invadido de terror e com o susto, a Ema lança um grito estridente, perfurando os ouvidos da fada que tenta esvoaçar dali para fora. Com o grito a fada é agora uma traça desnorteada sem conseguir alcançar a saída embatendo nas paredes, ora à esquerda, ora à direita.

A fada já com o dente preso na sua mão, lança pragas ao universo.

Que esta menina chore todas as vezes que lhe caia um dente!

AHHHAHHHHAHHH!

A moral da historia dos "três porquinhos"

Julho 18, 2019

Ricardo Correia

painel-1-50x1-os-tres-porquinhos-painel.jpg

Depois de ouvir a história dos três porquinhos, centenas de vezes ao longo de anos, e em que a moral da história é sempre a mesma, eis que agora a Beatriz nos deixou estupefactos com esta moral.

 

Se todos se recordam da história, resume-se num lobo mau que faz de tudo para comer os três porquinhos, certo? Um faz uma casa de palha, o lobo sopra e derruba a casa. O porquinho então foge para a casa do irmão, que era feita de madeira. Resultado? O desgraçado do lobo logo a derrubou com dois sopros. Os porquinhos então decidiram ir a correr fazer um jantar de família em casa do irmão mais velho que era feita de tijolos. E eis que surge o lobo mau.

 

E reparem que nós sempre o tratamos por lobo mau! Mas... será que o lobo é mesmo mau?

Beatriz- Coitadinho do lobo. Maus são os três porquinhos.

Mãe - Porquê Bia?

Beatriz - Porque os porquinhos fizeram uma casa de tijolos e ele soprou, soprou e soprou até ficar muito cansado!

Mãe - Então, Bia! Era para o lobo não os comer! Por isso ele já não conseguia derrubar a casa.

Beatriz - Pois. Depois ele teve que ir pela chaminé...

Mãe - Porque ele era matreiro e queria entrar na casa para comer os porquinhos.

Beatriz - Sim. Mas os porquinhos foram maus...

Mãe - Foram! Porque?

Beatriz - Porque lhe queimaram o cú. Tadinho do lobinho!

Pronto temos que dar a mão à palmatória. A Beatriz tem toda a razão.

No fundo, no fundo no fundo agora bem vistas as coisas até tenho o coração apertado!  Tadinho do lobinho que foi para casa com o rabo todo queimado e ainda por cima sem jantar, esfomeado e com a barriga a dar horas. Já para não falar que teve de ir para casa a pé, e tão cansado que ele estava sem fôlego de tanto soprar durante esse dia e sempre a correr de uma casa para o outro.

A vida não é justa!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Comentários recentes

  • Anónimo

    Obrigado Mariana. Fico feliz por proporcionar mome...

  • mariana

    Li as primeiras cinco palavras e já me comecei a r...

  • Mamã Gansa

    Muito bom. Fartei-me de rir.

  • Ricardo Correia

    Por acaso não. É Carneiro ou Carneirona como costu...

  • mariana

    Meu Deus adorei a história (perdão fada, mas até ...